A cor verde potenciada ao máximo numa decoração que não deixa de ser sóbria e serena.

Fotografias: Jonas Gustavsson

A hometour à casa de Emilie e Fredrik Carmén, situada em Sodermalm, em Estocolmo, na Suécia, é um forte ponto de partida para a confirmação de que o verde, em decoração, é sempre uma boa aposta!

A casa construída em 1640, mantém parte das suas características originais, como os tetos altos, janelas de grade atraentes e o pavimento de madeira original. O casal de novos proprietários fez questão de manter todos estes atributos e ainda os conjugar com a ousadia de um verde integral.

A necessidade de trazer cada vez mais a natureza para dentro de casa fez com que o verde ganhasse um destaque maior no interior das habitações, e não nos referimos só em plantas… Nas parede também! Do hall à sala combinados com a textura de têxteis e objetos variados.

É um tom bastante versátil e permite uma conjugação variada sempre com a mesma palete de verdes. Mesmo se monocromático, o impacto desta cor é grande a as sensações que provoca também.

Na cozinha a parede verde seco combina na perfeição com os armários de cinzentos e com a bancada de pedra efeito mármore que vai buscar a tonalidade dos armários.

A sala mantém a mesma cor nas paredes combinada com um lambril branco desenhado por elegantes molduras de madeira pintadas de branco. Todo o mobiliário é de ores neutras, deixando brilhar a frescura do verde.

Para os menos fãs de verde intenso, o WGSN elegeu o Neo Mint como uma das cores de 2020 o que permite igualmente frescor e ousadia.

No caso particular, a palete verde-cinza-bege foi eleita para a casa inteira, com exceção apenas no quarto das crianças. Aqui, o destaque foi para um azul industrial, outra cor cheia de personalidade.

A decoração potencia a criatividade dos mais novos, não apenas pelo jogo de cores mas também pelas texturas e iluminação!

Se tem filhos ou se se interessa por decoração infantil não deixe de ver os artigos sobre espaços artísticos e sobre casas mais seguras para crianças que preparámos a pensar nos mais pequenos.