A reinterpretação de um espaço que teve como premissas o entretenimento e o amor pela literatura!

Fotografia: itayfriedman I segundo memória descritiva

O projeto assinado pela Italy Friedman Architects, localiza-se em Mitte, Berlim, na Alemanha. O proprietário do imóvel pretendia um espaço onde pudesse passar horas infindáveis, isolado nas suas tarefas, enquanto em simultâneo se pudesse focar na literatura e em todas as memórias que o espaço lhe reservava.

Ao contrário da grande maioria dos projetos deste atelier, este foi desenvolvido visando apenas um usuário (no máximo dois, e de forma pontual), algo que influenciou determinantemente o resultado.

A grande preocupação foi manter o calor e o encanto do espaço enquanto, em simultâneo, garantiam a função principal de ‘entretenimento’ ao lado da cozinha.

A cozinha foi projetada de forma a garantir bastante espaço de armazenamento. Tal como, na sala, na entrada e no quarto.

A ilha executada em blocos de mármore é, sem dúvida, o elemento protagonista deste espaço, contagiando a área de estar. Algo que atua tanto como um elemento funcional quanto decorativo.

Tudo isso foi executado, pensado e repensando ao pormenor, onde cada detalhe mantém linhas de um design perfeito e de acordo com o conceito idealizado de ‘casa de literatura’. A cereja no topo do bolo é, naturalmente, a enorme estante de ponta a ponta executada por medida, idealizada para um verdadeiro amante de livros.

No desenrolar do projeto, os arquitetos descobriram ainda que as localizações anteriores da cozinha e casa de banho estavam isoladas da sala por um corredor e um quarto.

Optaram assim por, simplesmente inverter a lógica, compactando uma casa de banho e o quarto enquanto ampliaram a cozinha e a área de estar, dando destaque aos pontos mais importantes para o cliente. Como consequência direta eliminaram um corredor desatualizado e ganharam um valioso espaço de uso.

A casa desenvolve-se agora num plano aberto embora ainda tivessem o segundo desafio das limitações impostas pelas antigas escadas de casas de banho comuns.

A opção por um pavimento em microcimento conjugado com madeira no resto do apartamento, potenciou a força de cada um dos elementos seleccionados.

Na casa de banho, foram introduzidos três tons de verde nos azulejos para dar a ilusão visual de um espaço mais amplo, a madeira e o metal foram os materiais eleitos para o base de duche e pavimento.

Paralelamente, o quarto ficou com um espectro mais natural com materiais numa base de cor branca bastante mais clara. Um truque para ampliar o espaço pondo o foco do mundo exterior, que pode ser visto pela janela.