Assumidamente despreconceituoso, confortável e com forte aproximação à natureza, mesmo na cidade. Ora veja o projeto assinado pela arquiteta Suzana Azevedo.

Fotografia: Bruno Meneghitti Styling: José Leonardo Afonso

A procura de um escape à correria e agitação do quotidiano, que permita uma conexão com a natureza e que potencie a sensação de segurança e de ligação à terra, têm-se verificado um pouco por todas as cidades.

Cada vez mais há quem procure habitações que se traduzam em refúgios distantes dos ambientes mais frios, minimalistas ou contemporâneos das casas na cidade.

O projeto assinado por Suzana Azevedo resultou da necessidade de um jovem casal de médicos de criar uma habitação com um ambiente leve, descontraído, acolhedor e com características de praia.

Apesar de a arquiteta responsável pelo projeto não assumir um estilo específico para o resultado deste apartamento, desde cedo percebeu que a habitação tinha de refletir a personalidade do casal que sente forte ligação com a natureza.

Assim, e de forma subtil, Suzana Azevedo foi buscar as características certas ao estilo rústico, nomeadamente, o recurso aos materiais naturais como a pedra, a madeira ou a palhinha, tão tendência este ano!

Habituámo-nos a ver estas caraterísticas em casas de campo, mas embora este seja o seu habitat natural, é possível recriá-lo em qualquer ambiente e qualquer tipo de habitação, sem ser antigo, rural e pesado.

Um dos maiores desafios no desenvolvimento deste projeto ocorreu na sala, pelo facto de ser integrada com a varanda e a cozinha. O espaço necessitava de um layout diferenciado, com um bom aproveitamento das áreas, não perdendo o caráter ‘lounge’ da varanda.

A solução passou por criar uma zona de sala de estar com um sofá confortável, integrado com a varanda que, por sua vez, apresenta um outro sofá em L, mais baixo, junto à poltrona suspensa em rattan, evidenciando o mood descontraído.

Os tijolos na parede da tv, apesar de pintados de branco, são a forma mais pura entre as características do estilo rústico. Tal como a madeira, um elemento padrão, tão presente neste projeto e que cumpre a função do conforto.

Também a sala de jantar está integrada com cozinha com mesa de apoio para mais convidados.

Não podemos deixar de destacar a parede de fundo na zona de jantar integralmente forrada em pedra conferindo a textura necessária para uma aproximação mais evidente à natureza.

É sabido que outros materiais podem representar a aproximação natureza, como por exemplo os tecidos naturais: sejam o linho, o a ráfia, o junco ou o vime. Neste caso, são as extensas cortinas que permitem a leveza de que falamos.

De uma forma geral, os tons caracteristicamente associados ao rústico também estão aqui presentes, não tanto pelas cores terra, mas através dos beges, castanhos e brancos.

A iluminação e ventilação natural foram privilegiadas, através de grandes janelas em toda a extensão da sala que possibilita a entrada de muita iluminação natural.

Também no quarto, foi pensada uma solução acolhedora através de cores claras e materiais naturais.

Para a arquiteta um dos aspetos que mais a agradou neste trabalho foi: “Permitir a sensação de estar noutro lugar, pelas escolhas feitas no projeto de interiores, que mudam totalmente o clima do espaço”.