A remodelação deste apartamento, com novo mezanino, em frente ao icónico edifício Tate Modern, foi um dos primeiros projetos desenvolvidos pela Manhattan Loft Corporation, pioneiros num modelo invulgar, em que cada apartamento foi vendido como uma “concha” de modo a que os proprietários os ajustassem aos seus estilos de vida.

Projeto de Yard Architects, segundo a memória descritiva / Fotografias de Emanuelis Stasaitis

O Bankside Lofts foi um dos primeiros empreendimentos. “Fomos convidados a reconfigurar e a atualizar um dos apartamentos na secção vitoriana do edifício, para um casal que queria mais privacidade e um espaço de entretenimento melhorado”.

O apartamento existente tinha muito caráter e interessantes características arquitetónicas, incluindo três enormes janelas em arco com estruturas de aço com vista para a Tate Modern, tijolos expostos, vigas de madeira e colunas de betão.

O projeto reforça as qualidades arquitetónicas do espaço e utiliza materiais robustos que estão de acordo com a estética industrial do edifício. “Queríamos fazer um projeto que parecesse encaixar no edifício e durasse muitos anos, sem parecer desatualizado”. O layout do apartamento foi o principal motivo da reforma.

Havia duas camas no mezanino de plano aberto, com vista para o espaço principal, que não tinha paredes ou privacidade e tinha um pé-direito muito baixo. Tal funcionou enquanto os eles filhos eram pequenos, mas agora que estão em idade adulta, era necessário um quarto fechado, adequado às suas idades e estilo de vida, mais arrumação e, ainda, uma cozinha de maior dimensão para receber os amigos.

Os cliente também queriam ter um espaço para os hóspedes, mas mantê-lo o mais aberto possível quando não estiver em uso. “Criar o quarto principal foi particularmente difícil, porque a altura do teto não era suficientemente grande para que dois andares inteiros fossem inseridos, o que significa que, nalgum ponto, haveria uma altura do teto muito comprometida.

“A nossa solução foi um quebra-cabeças complexo de unidades de arrumação interligadas, variando em altura, o que maximiza a altura do teto onde é necessário, mas também aumenta a quantidade de espaço útil. Os guarda-roupas foram reduzidos em altura para ganhar espaço na sala em cima”.

A biblioteca permite uma altura ampla para repousar e ler um livro e permite uma altura total do teto para o quarto, em baixo. A cama destinada aos hóspedes fica numa plataforma elevada acima do hall de entrada.

A nova estrutura do mezanino é totalmente independente das paredes do perímetro do apartamento, feitas com o recurso a grandes perfis de madeira. Estes espelham as vigas do teto existentes, de modo que os novos elementos parecem parte do edifício existente, combinando-se para criar uma sensação de unidade.

“Incluímos um quarto escondido para o cão do proprietário, Ruby, um duche com pé direito duplo e muito espaço de arrumação escondido”.

A escada amarela de acesso ao mezanino adiciona um toque de cor à paleta monocromática, e os degraus funcionam como gavetas para sapatos.

“Utilizámos uma paleta de materiais simples para complementar os já encontrados no apartamento. Portas e janelas deslizantes de aço fecham o quarto, mas permitem que o espaço pareça aberto e seja preenchido com luz natural. Uma cortina oculta pode ser fechada para privacidade.

A casa de banho recebeu um acabamento em gesso Tadelakt marroquino, uma reminiscência das colunas de betão que foram deixadas à vista. O vidro canelado no mezanino oferece uma sensação de privacidade no nível superior, e permite que a luz inunde o espaço.