É mais concretamente em Agrela, área metropolitana do Porto, que nasce este projeto com um foco muito particular, assinado pela Spaceworkers.

Fotografia: Fernando Guerra I FG+SG I Texto segundo memória descritiva

Um desafio que rapidamente guiou o imaginário dos criativos da Spaceworkers às antigas bibliotecas renascentistas, com escadas deslizantes de acesso aos pontos mais altos das estantes. Lá dentro, tudo gira em torno desse objeto mágico que nos leva aos caminhos mais distantes mesmo sem sair do lugar… os livros!

Numa casa executada e pensar nos livros todos os espaços são dignos para a extensa biblioteca que aqui vai crescer!

A ideia foi crescendo e a diferenciação funcional dos espaços interiores, também, através da criação de um telhado com diferentes alturas.

O resultado é uma cobertura densa, pesada e monolítica que precisava ser subvertida, dando a ideia de uma massa levitando apoiada em madeira e vidro.

Do ponto de vista dos materiais utilizados, destaca-se o cimento quase como que procurando registar a passagem do tempo através de sua textura.

A sua forma assume subidas e descidas, saliências e recessos, permitindo-lhe acompanhar o tempo com a representação das sombras proporcionadas pelo sol, conferindo em simultâneo um aspeto dramático às fachadas.

Com o passar do tempo, o cimento texturado envelhecerá naturalmente e integrar-se-á mais com o ambiente rural. O mesmo acontecerá com a base de madeira, que quanto mais velha… mais magnificência refletirá, enriquecendo (ainda mais) a habitação!