O recurso à geometria, a união de duas cores apenas e a criatividade foram as soluções encontradas pelos arquitetos do Traço Alternativo para contornar o maior obstáculo no desafio que foi ‘erguer’ esta casa.

Fotografia: Marta Marques e Traço Alternativo – Arquitectos Associados

O mais recente projeto do gabinete Traço Alternativo – arquitectos associados, ocorreu na Rua Pêro Alenquer, com vista para a Foz do Douro. Mas nem tudo foi inspirador… O lote que acolheu a moradia é extremamente exíguo e a impossibilidade de abrir vãos nas duas empenas laterais constituiu um verdadeiro desafio.

Segundo o arquiteto Nuno Campos, “A solução encontrada funciona como uma ilusão que, utilizando a geometria e o recurso a apenas duas cores (branco e preto) conseguiu unir as quatro fachadas deste objeto arquitetónico, dotando-o de unidade formal e anulando o impacto negativo dessa condicionante.”

Todo o piso térreo é em open space e apresenta uma grande permeabilidade visual entre os diversos espaços interiores e a área exterior, com piscina e zona de estar com pavimento de madeira.

A serenidade da cor branca domina os espaços interiores, não só em tetos e paredes, mas também no acabamento em microcimento dos pavimentos e no design minimalista da carpintaria. A cor foi sendo introduzida na fase da decoração permitindo personalizar os espaços de acordo com a personalidade dos proprietários.

No piso superior dois dos quartos existentes estão voltados para a área posterior do lote e os outros dois quartos para a rua principal.

Mas acima, bem no topo do edifício, há ainda um rooftop que permite ver o deslumbrante  pôr do sol na Foz do Douro.

Por fim, e no que diz respeito à construção, “decidiu-se implantar a cave apenas um metro e meio abaixo do nível da rua para que dessa forma a rampa de acesso à garagem tivesse apenas cinco metros de comprimento. O piso do rés-do-chão e o logradouro ficam, por essa razão, metro e meio acima do nível da rua”, conclui o autor da obra.