Fotografia: Paulo Lima Produção: Amparo Santa-Clara

Uma casa pensada ao pormenor por dois proprietários dedicados. 

O apartamento que é integrado num prédio lisboeta de finais do século XIX, foi totalmente remodelado mantendo todas as características originais possíveis: tetos trabalhados em estuque, com 3,30 m altura, pavimento em tábua corrida em madeira de casquinha, portas com bandeiras em vidro originais, portadas, janelas, puxadores. Com 135 m2, as renovações foram pensadas tendo em atenção a muita humidade como é o caso das casas de banho e cozinha, colocando mármore  beje e mantendo os azulejos originais na zona da chaminé da cozinha. Também na cozinha foi possível recuperar o lavatório de início do século XX.

Os proprietários que foram responsáveis por todo o projeto admitem que em termos de inspiração ‘’ Não foi propriamente um critério estético e sim a conjugação de histórias de vida, viagens, gosto por artes plásticas e por design. ‘’ O casal que tem um forte interesse por arte, pintura e fotografia, tem peças de eleição que marcam toda a decoração da casa. Na sala por exemplo, uma das telas é da artista plástica Paula Rito e é uma das peças preferidas do casal.

Mas na sala despojada e muito confortável as peças de arte cobrem toda a parede, a aguarela e quadros a óleo sobre madeira são de Luísa Jacinto,  as gravuras de Bartolomeu Cid, a ilustração de Camões de Pedro Krohn, o desenho sobre papel de Pedro Batista e a Colagem sobre sofá azul, é de Badri Lomsianidze. Ainda na sala e escritório aguarelas de Pedro Chorão. Sobre mesa amarela esculturas de Maria Ana Vasco Costa, e candeeiro de Paulo Ramunni.

Nos sofas, as almofadas em seda são Jim Thompson e Artisans Angkor, a bergere é forrada a seda Rubelli e a cadeira estilo Luis XVI tem estofo original em petit point. 

Na casa de jantar, uma sala que se situa no coração da casa o papel de parede  é Elitis e cria um ambiente único e formal, sobre a mesa moderna bichos em prata vieram do Cambodja, trazidos pelo casal. Ao fundo um aparador com traços vintage.

Também no quarto do casal, o conceito foi simplicidade e funcionalidade. No closet, arcas de Macau e sobre a arca tela a óleo de Nuno Santiago

No quarto da filha a inspiração foi algo leve e feminino, com muitos linhos e  um papel de parede da Designers Guild, discreto mas bonito. Na parede, litografia de Eduardo Nery, pintura sobre papel de José de Guimarães e gravura de Manuel Gantes

Nesta casa onde a família é a principal inspiração, as peças de arte e de heranças compõem um ambiente ideal de tradição, família e conforto.