Em Kleinmachnow, Alemanha, o atelier de Itay Friedman projetou uma casa muito especial, com vários pontos de vista, abundante em luz natural e materais com uma paleta clara. A casa apela à tolerância, amor e esprança no próximo, a um mundo mais inclusivo.

Segundo a memória descritiva

Como arquitetos, a inspiração para qualquer design vem dos muitos elementos diferentes que nos cercam. Sejam estéticos, criativos ou sociais, é nosso dever, refletir não apenas a inovação dos nossos tempos, que forçam os limites tecnológicos do que podemos criar, mas que permitem, também, que os nossos projetos reflitam e transmitam a atualidade, o estado de espírito dos assuntos globais dos quais estamos tão afastados.

Para fazer isso, tivemos de observar o tempo em que vivemos, um tempo do movimento #metoo, o despertar coletivo da diversidade de identidades de género e o desejo de um mundo mais inclusivo e tolerante.

Um mundo em que a comunidade humana global está à beira de um novo horizonte, à beira de um ponto de inflexão. Uma época em que a beira de um penhasco já não representa apenas perigo, mas um lugar onde devemos permanecer para crescer e ser inspirados pelas aspirações e esperanças uns dos outros por um planeta inclusivo mais pacífico.

O design da luz abraçou os espaços abertos e a abundância de pontos de vista foi criado para evocar, inspirar e suportar tudo o que somos e tudo o que sonhamos em ser.

O nome do projeto, “Gadot Wonder Dwelling”, foi inspirado e derivado do mundo arquitetónico, físico e cultural.

A casa visava lidar com os pontos lineares de conexão e desconexão dos espaços, com os seus níveis de divisão e os amplos pontos de vista de diferentes usos programáticos do espaço.

A palavra hebraica ‘Gadot גָּדוֹת’ foi escolhida para retratar estas equações matemáticas da álgebra linear, já que significa literalmente “margens” ou tão comummente usada como “margens de um rio”, que se referem e representam não apenas o espaço e a sua abundância de margens como as experiências espaciais, mas mais ainda nos momentos em que estamos separados.

A segunda inspiração para batizar a casa “Gadot Wonder Dwelling”, deriva do segundo significado da antiga palavra hebraica Gadot meaning’דוֹת, que significa uma mulher forte, e do trabalho do ator Gal Gadot e o seu retrato da personagem ‘Wonder Woman’.

Estas duas inspirações, em combinação com o movimento #metoo, representam a aniquilação da segregação de género e da desigualdade entre os sexos no mundo.

Como a arquitetura é, e sempre foi, um reflexo dos tempos em que foi construída, era desejado ter a certeza de abordar não apenas a estética do design da casa, mas também criar e compreender um espaço que convidaria ao diálogo atual de mudar o nosso mundo, o seu reino.

Criar espaços inspiradores para que os clientes e familiares vivam e se desenvolvam, afirma que o bem ainda pode florescer, a esperança e a fé no outro ainda podem residir, o que fortalece e empodera o que sempre desejamos e naquilo em queremos tornar-nos.


À medida que os espaços, a sensação de acolhimento e de segurança nos protegem dos elementos, somos evocados para nos tornarmos as melhores versões de nós mesmos. Fazer desta casa um lugar de bondade, de amor, de esperança, depois de ser mil vezes magoado e curado, para, depois, se revelar ainda mais forte.


Área construída: 800 m2
Localização: Kleinmachnow, Alemanha
Equipa: Anastasiia Lytvyniuk
Projeto: Itay Friedman