A intervenção está localizada num terreno rústico de 19.060 m2, pertencente à zona de Cap de Barbaria, a oeste da ilha de Formentera. O projeto é assinado por Marià Castelló.

Fotografia e projeto: Marià Castelló Martínez

As pré-existências mais significativas, mantidas e melhoradas através do projeto, são uma pequena mancha de pinheiros e zimbros localizada na área, a oeste da propriedade, bem como a antiga casa em Can Manuel de’n Corda, que responde ao esquema padrão da arquitetura residencial popular desenvolvida em Formentera entre o final do século XVIII e meados do século XIX. O projeto de arquitetura coube a Marià Castelló, que também assina a coleção D12 para a Diabla.

A volumetria simples do corpo principal, com um telhado inclinado de duas águas e orientação sudeste, bem como as raízes na paisagem através de paredes de pedra seca produzidas tradicionalmente, mostram a ligação entre este tipo de edifício e as operações agrícolas junto às quais se encontrava.

O extenso programa funcional que condicionou o trabalho foi organizado de tal maneira que, apesar de esgotar os parâmetros urbanos atualmente permitidos, prejudica, ao mínimo possível, a casa pré-existente e, ao mesmo tempo, organiza a sua volumetria para que tenha a menor presença possível a partir do frágil ambiente imediato.

Tal foi possível graças ao uso de uma volumetria fragmentada no piso térreo, num arranjo não ortogonal, compensado na secção do andar intermédio em relação ao nível da casa rural, adaptando-se à topografia e mantendo intactas as fachadas mais características do modelo arquitetónico ( fachadas sudeste e noroeste, onde estavam localizadas todas as aberturas originais).

Desta forma, as fachadas finais que eram originalmente ‘cegas’ (fachadas nordeste e sudoeste) foram usadas para fazer as ligações com os elementos recém-criados, bem como para materializar as novas aberturas que permitem um melhor aproveitamento da luz natural.

Apesar do acesso principal à casa ter sido mantido com a orientação a sudeste, a nova casa vira as costas à estrada que limita o terreno, no lado leste, bastante movimentada. Assim, a extensão da casa procura as melhores vistas para o noroeste, de onde pode ser observada a ilhota de Es Vedrà, que caracteriza o horizonte sul da ilha vizinha de Ibiza.

Os espaços de convívio (sala de estar, sala de jantar, cozinha e terraços) foram mantidos na casa original; por seu turno, os quartos foram concentrados no piso térreo da extensão e as zonas de serviço (lavandaria, adega, despensa) foram concentradas no piso subterrâneo, à semelhança das instalações técnicas.

Do volume da extensão, destacam-se os visuais que atravessam o edifício através dos intervalos entre os diferentes módulos de geometria ortogonal que compõem os 4 quartos com casa de banho, no piso 0. Destes interstícios, o mais importante é a transparência que existe no contacto entre expansão e moradias tradicionais. Este contacto subtil ajuda a esclarecer os limites de cada edifício.

Os intervalos transversais acima mencionados são reproduzidos no piso -1, gerando pátios de iluminação e ventilação que aquecem as salas inferiores e transformam o relacionamento com a envolvente.

O teto, plano, da extensão é utilizável num único ponto como miradouro do solário, com uma escada externa. A proposta foi formalizada com uma paleta reduzida de materiais. Destaca-se o espaço interior da casa tradicional, onde foram expostas as paredes de pedra originais do local, parcialmente cobertas por um novo envelope de painéis verticais que abrigam as instalações e a iluminação indireta no espaço de 5 centímetros que os separa.

No piso 0, os pavimentos internos e externos dos terraços são de cimento polido. A carpintaria externa é feita de madeira de Iroko, assim como as vigas da casa tradicional. A carpintaria interior é de MDF impermeável lacado a branco.

Na sala de estar, foi construída uma nova lareira com chapa de aço com 10 mm de espessura. A cozinha e casas de banho foram revestidas com microcimento com acabamento semelhante ao chão. Na área adicionada, os pisos dos quartos foram deixados sem revestimento, em cimento aparente. Também nos quartos, as camas, cabeceiras e armários foram executados no local.

As pérgolas do exterior são feitas de uma estrutura de aço lacada a branco combinada com junco, para filtrar a luz natural.

O vidro da piscina é revestido com microcimento com um acabamento muito semelhante ao dos WCs e cozinha. O deck que circunda a piscina é de madeira de iroko. No piso -1, o piso é de calcário capri natural.

Os pátios do piso -1, bem como os telhados planos não acessíveis, foram finalizados com cascalho ocre obtido da trituração de calcário local.

A seleção de móveis inclui clássicos do design mediterrâneo, como as poltronas Torres Clavé ou a luminária Cesta de Miquel Milà; as cadeiras tradicionais foram feitas por artesãos locais e os móveis, personalizados, são de madeira de iroko com acabamento natural.

Apesar de preservar uma parte importante da vegetação preexistente na área de intervenção, o projeto recorreu ainda a alguma vegetação indígena, que requer pouca manutenção.

FICHA TÉCNICA

Local: Cap de Barbaria, Formentera
Arquitetos: Marià Castelló Martínez + Daniel Redolat Puget
Colaboradores: Marga Ferrer, Sonia Iben Jellal, Albert Yern
Área: 593,30 m2
Fotografia: Marià Castelló Martínez