Em S. Mamede, no Porto, uma casa de época abriga uma família de viajantes intrépidos que aqui encontraram o seu porto de abrigo.

Fotografia: Pedro Mendes / Texto: Isabel Figueiredo / Projeto: ShiStudio

Contam-nos os autores do projeto de interiores desta casa no Porto, aqui habitar uma família muito especial, com uma história de vida rica, que acabou por se revelar a maior fonte de inspiração para as escolhas entretanto levadas a cabo.

“Pessoas amorosas, com três filhas lindas, compõe esta família que viajou pelo mundo a trabalho e quando regressou a Portugal apaixonou-se por esta casa do século XIX”, revela Mário, parceiro do atelier Shi Studio de Sheila Moura Azevedo.

“Trouxeram com eles alguns amores e vivências que influenciaram a nossa escolha na paleta de cores dos interiores, bem como as propostas ao nível do mobiliário e decoração, de um modo geral”.

Cores essas, assim o comprovamos, românticas, alicerçadas em tons secos, aliadas a madeiras lacadas a branco de modo a ampliar toda a casa, que exibia o registo de pés direitos muito altos e divisões pequenas.

A sensação de tranquilidade depurada, a atmosfera de verdadeira casa de família, começa mal transpomos a porta de entrada, que foi recuperada, considerando-se a sua época.

O chão mistura madeira e algum mosaico, numa equação de padrões e cores bem conseguido.

Ao longo das várias divisões, as cores das paredes e apontamentos de azulejo estabelecem um diálogo suave com o mobiliário, que ainda beneficia da boa entrada de luz natural proveniente das várias janelas. Neste piso, localizam-se as zonas de estar, de refeições e cozinha, além do apoio de uma casa de banho.

Acedendo ao piso superior, encontramos os quartos e casas de banho.

No quarto de uma das filhas, a escolha do azul turquesa deve-se em boa parte às suas experiências de jovem viajante pelos mares do pacífico, onde viveu.

No quarto do casal, a cama tem o apoio de uma cabeceira em capitoné rosa velho; na parede, destaque para o azul Sea Clay seco coadjuvado pelo dourado seco que vê a sua a continuidade nos tons do tapete Persa, que viajou com a família durante muitas milhas.
O toucador Tété foi desenhado à medida por forma a guardar as joias num lugar especial, “com um design que representasse o tempo passado da casa e das suas histórias”. As mesinhas de cabeceira e a luminária de mesa já existiam.

A cama estofada foi colocada junto à parede para que o espaço ganhasse amplitude e assim se abrissem alas “para que a pequena consiga fazer uma pirueta em frente ao espelho”.

A ligação aos livros inspirou Sheila e Mário a desenhar uma chaise-longue de apoio à cama. Por último, as borboletas, que são a ligação ao lado poético do perfil desta menina delicada que adora música e ballet!