Confinado ao último andar de um edifício, geralmente de difícil acesso e com um pé direito muito baixo, o sótão é um espaço habitualmente rentabilizado para arrumação. No limite, quando a inclinação o permite, há quem o adapte a um quarto.

Quem costuma adorar estes espaços são as crianças associando-lhes sempre uma boa dose de mistério e encantamento. Já os adultos, nem sempre lhes acham grande graça… Mais raro ainda, é olharmos para os sótãos como habitações completas, embora vá adorar o que lhe trazemos. Duvida? Fique para ver!

O sótão que hoje partilhamos, situado em Poznań, na Polónia, tem áreas generosas e foi recuperado pelo Cuns Studio que conseguiu converter este espaço de 170m2 numa habitação aberta, confortável e sem fronteiras (demasiado) definidas. Apenas o quarto ‘principal’ foi delimitado de forma a garantir alguma privacidade. A banheira elíptica e o candeeiro suspenso adicionam alguma magia a este quarto acolhedor.

O pavimento original foi restaurado, assim como a madeira do telhado. Pôr a descoberto as paredes de tijolos foi outra opção certeira. E o mezanino, possível de aceder pelas escadas de aço, está junto ao home theater que baixa automaticamente sempre que desejável.

A cereja no topo do bolo? A rede suspensa!! Foi projetada por uma empresa especializada em equipamentos de segurança e está apta a suportar o peso de várias pessoas. O especialmente espaço foi concebido para ler e ouvir música.

Por fim, na cozinha personalizada, destacamos o padrão geométrico do pavimento inspirado no tapete da sala de estar.

Créditos das Imagens: Hanna Dhugosz