Fotografia por Sallyanne Hartnell

A artista australiana Paula Mills mudou-se com o marido, as três filhas e o cão para a nova casa de família situada em Melbourne, na Austrália. O resultado da sua inspiração é um visual absolutamente explosivo!

Numa fase onde a tendência escandinava, os tons suaves e materiais naturais estão em alta, Paula Mills vem provar que nem todos são feitos da mesma fibra e que os gostos podem, e devem, ser diversificados.

Em família, trabalharam bastante para que conseguissem recuperar a antiga glória desta casa, o que aconteceu ao descobrirem tijolo por tijolo. Procuraram uma forma de renovar a habitação sem perder o seu caráter.

Removeram uma parede entre a sala de jantar e a cozinha, colocaram portas duplas de acesso ao pátio, rebocam e pintaram todas as paredes de branco, e mantiveram os rodapés e o piso de madeira de forma a reter todo o caráter e textura irregular do imóvel.

Na sala, junto à salamadra, uma parede é inteiramente dedicada a obras de arte. Do outro lado, Paula adicionou um papel de parede floral verdadeiramente arrojado marcando a sua paixão por flores.

Um ton sur ton com a cadeira floral amarela. Era de uma amigo da família e estava-lhe destinado o lixo, mas o casal recuperou-a.

Também os armários são belos achados vintage e a coleção de kilims e tapetes persas reforçam o padrão-sobre-padrão.

É nesta sala da frente, onde assistem televisão na grande maioria das noites enrolados no confortável sofá azul.

Na cozinha, os tijolos aparentes surgiram quando a parede começou a ser picada. A decisão foi imediata e a mesa em carvalho encaixa na perfeição com as histórias entre amigos que aqui são contadas diariamente.

A marquise mantém o papel de parede original que existia na casa aquando da sua aquisição. É aqui que Paula fixa os seus recortes em constante evolução e as imagens nas quais está a trabalhar. Uma espécie de estúdio doméstico de Paula, onde desenvolve o seu trabalho para a sua empresa Sweet William Prints, um universo cheio de cor e padrão. É aqui que a artista pinta uma vez que a luz é particularmente boa.

Num sneek peak ao quarto da artista, percebemos que os padrões fortes e as texturas são uma constante, mesmo na hora de relaxar.

Já no quarto das crianças, as duas camas foram encontradas numa loja de artigos usados e Paula souber desde logo que ficariam perfeitas. A cadeira de madeira foi comprada no e-bay e pintada de amarelo. Na parede estão pedaços dos interesses da filha Rosie, de 13 anos. Algo que vai mudando com o passar do tempo, desde papeis de embrulho, cartões, posters, gravuras artísticas da Sweet William Prints,  a própria marca da mãe.

O terceiro quarto, também com uma cadeira amarela, pertence à filha mais velha do casal, Lia, de 15 anos. A colcha indiana é da Tribo da Terra.