Ergue-se em Lisboa um contrastante imóvel, com fachada de tijolo vermelho, idealizado pela Nomos Archi.

Fotografia: Ricardo Loureiro

Localizado bem no centro da capital portuguesa, nasceu em 2020, um irreverente edifício de escritórios de 12 andares, com pequenas varandas em cada um deles.

O conceito foi desenvolvido pela Nomos, uma associação de arquitetura com núcleos em Geneva, Lisboa e Madrid. Usam, fundamentalmente, o desenho para moldar as ideias, exploram novas maneiras de criar comunidades por meio dos edifícios em que exploram novas oportunidades …sempre com uma abordagem e beleza sustentáveis.

Neste caso, o objetivo era melhorar a transição entre o público e o privado, e numa reação positiva ao agressivo ambiente urbano a fachada principal é espessada de forma a criar um limiar entre a rua e os apartamentos.

As janelas dobráveis são projetadas para serem empilhadas nas aberturas de forma a serem capazes de hospedar uma planta e oferecer um espaço “extra” para os seus utilizadores.

Os tijolos vermelhos do exterior foram usados de forma integral, para criar uma fachada áspera distinguível dos edifícios adjacentes. A transição entre o espaço urbano e o espaço individual é ainda realçada pela utilização de tijolos esmaltados de cor branca nas ombreiras e vergas das aberturas.

No interior os acabamentos são nobres, contemporâneos e de tons suaves onde o branco impera.