A luminosidade influencia o nosso estado de espírito e a luz aumenta-nos a energia. Não é por acaso que trabalhar a iluminação é um dos maiores desafios em qualquer casa. Aqui fica o beabá que convém mesmo saber!

Fotografia de destaque: Fernando Guerra

Quando falamos em arquitetura e decoração é frequente surgirem preocupações ao nível de layout e do mobiliário. Porém, existem inúmeros outros fatores que contribuem para um resultado bem sucedido ao nível dos interiores, e a iluminação correta é um deles!

Antes da parte divertida de escolher o candeeiro devemos dedicar alguns minutos a definir o que pretendemos e aquilo de que gostamos. Luz quente? Luz fria? E direta ou indireta?

Tudo isto está relacionado com as lâmpadas e a melhor sugestão que lhe podemos deixar é aconselhar-se junto de um entendido no assunto que, certamente, o ajudará a conseguir a melhor relação entre iluminação inteligente, eficiência, economia e estilo.

Sabia que existem as lâmpadas halogéneas, incandescentes, fluorescentes ou os leds, e depois, os Watts, Kelvins e lumens? Resumindo, a probabilidade de sair da loja com um nó na cabeça é enorme.

Numa breve alusão ao tema podemos dizer-lhe que os kelvins são a temperatura de cor (quanto mais alto é o seu valor mais clara é a tonalidade de cor da luz. Os watts dizem respeito apenas à quantidade de energia que a lâmpada consome e os lumens estão relacionados com a quantidade de luz e brilho que a lâmpada emite.

Esclarecidas as questões técnicas, e entrando no vasto universo de candeeiros disponíveis no mercado, existem três tipos básicos e fundamentais que pode escolher de forma a ter uma iluminação variada dentro da mesma divisão. Falamos da iluminação de pé, de mesa e de teto.

Cada área da casa pede um tipo de iluminação diferente e criar nuances e cenários diferentes através da iluminação é mesmo uma arte. No fundo, também ela é potenciadora de estados de espírito diferentes. A nossa sugestão é que varie as opções de forma a criar um dinamismo mais interessante nas suas divisões e que faça a sua distribuição de forma ponderada. Siga as 6 sugestões que reunimos para si:

Candeeiros de Teto

São frequentemente usados com o objetivo de prover uma iluminação generalizada. De acordo com o gosto podem variar entre os mais discretos e chegados ao teto, como os plafons, ou suspensos, como os das salas de jantar, por exemplo.

Candeeiros de Mesa

Cumprem a função de providenciar uma iluminação mais localizada, sem iluminar a divisão na sua generalidade. Muitas vezes, são escolhidos e adicionados aos espaços como meras peças de decoração, simplesmente pela sua componente estética.

Candeeiros de Pé

Úteis e elegantes, servem para iluminar recantos e criar luz ambiente. Estão associados ao design já que alguns são peças cheias de personalidade.