São uma enorme mais-valia em qualquer casa, mas nem todos sabem tirar o máximo proveito desta característica que torna as casas tão diferenciadoras.

Uma divisão que contenha um teto alto, rapidamente pode tornar-se num espaço multifuncional por mais pequena que a divisão seja. Uma sala pequena pode tornar-se num quarto, um quarto pode passar a ter integrado um com closet, ou até transformar-se num escritório, e a sala de estar facilmente poderá estender-se à sala de jantar, para citar apenas alguns exemplos.

Todos já tivemos a experiência de entrar numa casa de tetos baixos facilitando a sensação de desconforto ou claustrofobia, e muitas vezes sem percebermos porquê. Além da desvantagem colateral da difícil escolha de móveis ou acessórios (nada de candeeiros suspensos de grandes dimensões, por exemplo!) de forma a que não comprima (ainda mais) o espaço, tornando-o simultaneamente, funcional mas leve e arejado.

Regulamento Geral das Edificações Urbanas (RGEU) estabelece como os valores recomendáveis em edificações destinados a habitação a altura de 2,70m, não podendo ser inferior a 2,40m. Já em corredores, instalações sanitárias, despensas e arrecadações é admissível um pé-direito de 2,20m.

Por sua vez, o pé direito duplo, como é tecnicamente chamado, e tal como o próprio nome indica, utiliza o dobro da altura, o que faz com que na prática, a casa fique praticamente com dois andares. E o facto desta distância entre o pavimento e o teto ser duplicada permite um mundo de possibilidades!

Outras das vantagens são maior amplitude visual, mais arejamento, maior entrada de luz, e sobretudo muito estilo através, por exemplo, da criação de um mezanino.

Pode ainda fazer de uma das paredes (bem altas) um ponto fulcral da sua decoração cobrindo-a com um revestimento diferenciador, seja na cor ou no padrão .

E porque não uma parede para adiconair arte?

Instalar aquele candeeiro volumoso…

Ou, ainda, obter imenso espaço extra para arrumação com estantes altas e com nichos!

Contudo, não há bem sem senão…

DESVANTAGENS

– Implicar um valor mais dispendioso na construção da habitação, afinal,  levam mais material…

– Dificuldade em trocar lâmpadas.

– O custo do aquecimento também é aumentado pois o volume da sala é maior.

– E, nos casos onde os proprietários não sabem tirar partido desta característica maravilhosa, acabam por se traduzir numa série de centímetros superiores permanecem sem qualquer utilidade!