A professora e consultora internacional de Feng Shui, Vanda Boavida, foi convidada para estar presente na IDF by Interdecoração deste ano onde o tema em destaque é a aplicação do Feng Shui ao turismo. E este foi o mote para uma conversa com a especialista que nos explicou de que forma algumas boas práticas podem minimizar os efeitos de “estar fora de casa” melhorando, assim, o bem-estar e equilíbrio de quem viaja.

Por Mafalda Galamas

De que forma o Feng Shui vai estar presente na feira?

Nesta edição da IDF by Interdecoração, que decorre de 20 a 23 de fevereiro, na Exponor, vou apresentar um quarto de hotel, recriado em parceria com a Época e com a Alfaiate de Interiores. O objetivo será criar um espaço tranquilo, com equilíbrio entre todos os elementos utilizados.

A todos os visitantes será proporcionada uma experiência utilizada em muitos hotéis, o Space Clearing, para que seja criada a atmosfera ideal de um hotel onde o Feng Shui está presente. Um espaço com Space Clearing não só está limpo do ponto de vista da arrumação e higiene, mas também ao nível do próprio ar, utilizando óleos essenciais e de flores naturais para purificação do mesmo.

Qual a maior novidade que o Feng shui vai trazer à feira?

A sua aplicação ao setor hoteleiro. No quarto de hotel que irei recriar, serão utilizados materiais naturais, como a cortiça, tendo em consideração a sustentabilidade e a redução da utilização de materiais poluentes que interferem com a saúde. Vou ainda recorrer a plantas naturais, uma vez que estas limpam e purificam o ar, contrariamente ao mito que foi criado em redor da não utilização de plantas no interior dos quartos. As plantas fazem a fotossíntese de dia, produzindo oxigénio. À noite, consomem oxigénio e eliminam o dióxido de carbono. A quantidade de oxigénio consumida é, de modo geral, muito pequena e insuficiente para causar qualquer problema a um ser humano. As plantas que vão ser utilizadas no projeto fazem a simbiose entre a elegância e o contacto com a natureza dentro do quarto.

Ricardo Oliveira Alves Architectural Photography – fotografia de arquitetura

Como é habitual, na Intercasa irão estar presentes inúmeros artesãos. De que podem aliar esta arte milenar ao desenvolvimento do seu trabalho?

Entendo que será através da escolha de cores, texturas, materiais, formas e até aromas (ultimamente muito utilizado, através do marketing olfativo).

As cores, texturas, formas e materiais representam os 5 elementos do Feng Shui (fogo, solo, metal, água, árvore) e a forma como todos se equilibram é que proporciona uma maior harmonia.

Boas práticas que todos nós podemos assimilar do Feng Shui para bem receber quem nos visita?

Utilizar velas e flores para criar uma atmosfera de festa e de celebração.

Que estratégias podemos utilizar para minimizar o eventual desconforto de estar fora de casa?

Caso se utilize óleos essenciais em casa, para colocar almofada (como por exemplo, óleo de lavanda), utilizar o mesmo nas almofadas do quarto do hotel, para que o ambiente e aroma do espaço seja familiar.

Fala-se numa grande tendência no Oriente que é o Ming Gua. De que se trata exatamante?

No Feng Shui é valorizado o conforto a simplicidade (uma vez que o menos é mais) e o diagnóstico do estudo da personalidade dos habitantes para adaptação do espaço. Por isso, em grande parte dos hotéis no Oriente, são estudadas as características dos seus clientes para escolha do melhor quarto. A isto, no Feng Shui, chamamos Ming Gua, que se caracteriza pelas coordenadas mais favoráveis para cada indivíduo, que são os 8 pontos cardeais. 

Em Hong Kong, por exemplo, um hóspede é automaticamente encaminhado para um quarto que lhe seja mais benéfico. O mesmo acontece com a alimentação, tendo em consideração que tipos de alimentos poderá ou não comer, tendo em consideração alergias, intolerância alimentares, etc. 

Ricardo Oliveira Alves Architectural Photography – fotografia de arquitetura

Formas de nós portugueses ‘utilizarmos’ o feng shui sempre que vamos para fora, mesmo cá dentro?

Apesar de em Portugal a maioria dos hotéis ainda não estarem preparados para isso, em Hong Kong é prática comum o hotel direcionar os seus clientes para o quarto que possuam as direções mais favoráveis para os mesmos, tendo em consideração que todos nós temos 4 direções favoráveis e 4 direções desfavoráveis. Após termos essas direções, sabemos escolher o quarto mais benéfico para nós, da mesma forma que escolhemos os alimentos que são mais favoráveis.  Alguns hotéis em Portugal, face à elevada procura de clientes orientais, já sabem que podem ser questionados sobre a direção do quarto ou da cama.  

Novos desafios que o Feng Shui tem de enfrentar nesta nova década?

Os consultores de Feng Shui devem ter em consideração a questão da sustentabilidade face à constante evolução do planeta e a escolha dos materiais a utilizar nos seus projetos. 

Verdades inquestionáveis sobre o Feng Shui?

Existem estudos que comprovam que a cor e o layout dos espaços onde vivemos e trabalhamos têm impacto nas várias áreas da nossa vida.

Três mitos sobre o Feng Shui?

1- Que é preciso acreditar para se ter resultados;

2- Para dormir bem é necessário ter a cabeça a Norte (depende da pessoa), no Feng Shui faz-se a análise das pessoas e dos espaços e cada caso é analisado de forma isolada;

3- Que uma casa organizada tem bom Feng Shui. A organização contribui para o bem-estar de um espaço e das pessoas que utilizam, mas o Feng Shui é muito mais que organização.