Durante 28 anos, a Alemanha uniu-se – exatamente o tempo durante o qual esteve de pé o Muro de Berlim (1961-1989). Partindo deste paralelo, o gabiente de arquitetura alemão GRAFT e Marianne Birthler serão os curadores da exposição “Unbuilding Walls”, a decorrer no Pavilhão Alemão, no âmbito da 16ª Exposição Internacional de Arquitetura em Veneza (26 Maio – 25 Novembro 2018).
A exposição responde aos debates atuais sobre as nações, o protecionismo e a divisão.

Marianne Birthler e GRAFT, curadores;   Foto: Pablo Castagnola

Marianne Birthler e GRAFT, curadores;
Foto: Pablo Castagnola

GRAFT e Marianne Birthler partem deste ponto de partido, deste paralelo, como uma oportunidade para explorar os efeitos da divisão e do processo de cura enquanto fenómeno espacial dinâmico.

Radweg_2

"Checkpoint Charlie", aus der Serie "In den Straßen von Berlin"

“Checkpoint Charlie”, da série “In den Straßen von Berlin”

Com referência ao “Freespace”, o tema central da Bienal de Arquitetura proposto pela Grafton Architects, será dado um foco especial a exemplos notáveis de design urbano e arquitetónico que abordam aspetos da divisão e da integração.
Ao analisar os projetos arquitetónicos na antiga linha de fronteira, será examinada a questão sobre o que aconteceu nesse vazio sem precedentes no meio de uma nova capital. A heterogeneidade da multiplicidade de abordagens, tipologias, protagonistas e resultados mostra a amplitude dos debates e soluções arquitetónicas.

Axel-Springer_1 Axel-Springer_2

Tendo como ponto de partida a experiência do muro que dividiu a Alemanha, a exposição também examinará barreiras, fronteiras e muros históricos e atuais, além da perspetiva nacional específica da Alemanha. 

Sobre o evento

 

Sem mais artigos