Projeto: Pereira Miguel Arquitectos / Fotografias: Fernando Guerra | FG+SG, Rute Raposo / segundo a memória descritiva, via Archdaily

Um casal de lisboetas lança‐se numa aventura imobiliária e compra, por impulso, um pequeno terreno com três ruínas, denominado Moinho do Barroco, junto a uma pequena povoação chamada Sabugueiro. 



O local é remoto, sem acesso por estrada alcatroada, e apenas acessível no verão, visto a ribeira encher e transbordar no Inverno.

Os primeiros tempos são passados a limpar o terreno, a ribeira e a pensar o que fazer. Decidem‐se por tentar recuperar as construções originais, preservando ao máximo possível tudo o que mantém o lugar único, e encontram no arquiteto Luís Pereira Miguel o parceiro certo para o projeto.

O projeto “Casas Caiadas” é hoje uma unidade de turismo rural em Arraiolos, a norte de Évora, concebida para acolher famílias, ou grupo de amigos, até oito pessoas.

São três casas distintas (mais uma, de apoio), reconstruídas a partir do núcleo de antigos moinhos de água, no meio de um Alentejo com linhas de água, muito verde durante boa parte do ano e grandes conjuntos de rochas megalíticas.

Um lugar para descansar ao lado de uma ribeira que corre entre pedras, rodeados de oliveiras e freixos centenários, menires e uma piscina-praia.

Nas redondezas, há vilas de traça belíssima, com castelos e outros monumentos. E, à noite, de regresso às casas, o céu oferece a possibilidade de contemplar as estrelas com condições de visibilidade como em poucas zonas do sul da Europa. Perto de Arraiolos, Alentejo autêntico.