Em linha com o desejo do cliente, o planeamento da casa foi concebido utilizando a topografia natural do terreno e as árvores maduras na parte posterior. Privada, tanto quanto possível.

Fotografia: Derek Swalwell, Edward Hendricks / segundo a memória descritiva

O projeto está situado numa zona de conjuntos habitacionais típica de Singapura, construída na década de 1980. O terreno insere-se numa área de atividades interessantes e aparentemente díspares. Num raio de 1,5 km, a residência Stark está cercada por outros conjuntos habitacionais – baixos e altos -, caso do Complexo Penitenciário de Changi, do Aeroporto de Changi e de várias áreas industriais e comerciais.

Com esta confluência bastante invulgar de tipos de construção, os arquitetos do renomado coletivo Park Associates questionaram-se sobre o que o contexto significa para eles.

“A arquitetura participa frequentemente de múltiplos contextos com camadas de complexidades. Para que um novo elemento da arquitetura seja introduzido com sucesso, há uma necessidade absoluta de uma consideração holística dos vários contextos envolvidos. Por uma questão de inclusão (…) na comunidade, a nossa crença está no facto de que o todo é maior que a soma das suas partes. Examinar o que significa responder ao contexto do terreno acabou por revelar-se o principal fator do projeto”.

Em linha com o desejo do cliente, o planeamento da casa foi concebido utilizando a topografia natural do terreno e as árvores maduras na parte posterior.

Como tal, é evidente que os espaços da casa se afastam da frente, onde a visão é a das casas vizinhas, uma consequência comum de conjuntos habitacionais como este. Em vez disso, está de frente para a parte posterior da casa, onde a vegetação oferece um santuário particular e verde.

A topografia do terreno foi aproveitada para criar um recanto no subsolo que se abre para o verde. Combinado com a piscina externa, o espaço no subsolo – dificilmente percebido como um lobby – é o ponto focal das atividades da família e do entretenimento ao ar livre.

No primeiro andar, o planeamento procurou maximizar a porosidade do local, revelando a vista para a vegetação na parte posterior. O design da porosidade também foi uma resposta à restrição do terreno, uma estratégia para torná-lo mais profundo do que realmente é.

Quando alguém se aproxima da residência pela longa entrada, não é confrontado com uma parede ou garagem em branco que interrompe abruptamente o movimento, mas é antes recebido com uma extensão verde que é tão acolhedora para os habitantes como para os visitantes.

A experiência de entrada – um interesse particular na obra do estúdio – é aprimorada. Além de permitir uma ventilação cruzada eficaz e vital para o clima de Singapura, a abertura permite que as vistas e a luz do dia penetrem na sala de estar.