Ganhou o prémio para intervenções realizadas por jovens designers In/Architettura Emilia-Romagna 2020 e é a casa e o espaço de um coletivo de artistas.

Projeto: Ciclostile Architettura / Fotografia: Fabio Mantovani

Ca’ Inua é o nome desta propriedade. Kainua é a antiga cidade etrusca que ficava perto da atual cidade de Marzabotto. Ca ‘é uma referência aos topónimos típicos de casas de quinta nas montanhas. Inua significa a essência de todas as coisas, é um conceito espiritual que une todos os seres e que é o princípio da harmonia entre os seres vivos.

O edifício de 400 metros quadrados, cuja reabiliação foi merecedora do prémio para intervenções realizadas por jovens designers In / Architettura Emilia-Romagna 2020 exibe-se hoje como um volume de pedra e madeira, com as suas raízes na montanha, com a qual forma um todo;

Um objeto solitário que expressa uma relação intensa com a energia e geologia primordial da paisagem montanhosa.

A beleza e grandiosidade da paisagem em que o projeto se insere exigiram uma abordagem delicada e cuidada: o novo edifício tinha de apresentar-se como uma peça intemporal, como um dos elementos da paisagem natural.

A casa e espaço de pesquisa do coletivo artístico Panem et Circenses, obtido a partir da demolição e reconstrução da antiga casa do quinta, está distribuída por dois pisos, sendo o térreo parcialmente embutido no solo para fortalecer este vínculo edifício / natureza; um enxerto que altera a percepção interna / externa ao aproximar a linha de visão do solo.

As pedras obtidas na demolição foram recuperadas e reutilizadas para a nova parede de pedra exposta do piso térreo (reconstruída sobre o sedimento da parede antiga), elemento de ligação entre a nova casa e o celeiro renovado.

A nova parte, com estrutura em painéis X-LAM, tem vista para a frente principal apenas no primeiro andar, inserindo-se com graciosidade numa paisagem fortemente caracterizada.

O revestimento é em madeira queimada, técnica milenar e inextricavelmente ligada ao território mas projetada por toda a parte, uma linguagem comum inclusiva e acolhedora.

Internamente, a dialética entre as superfícies “duras” (o cimento do subsolo da sala, os mosaicos das casas de banho) e as superfícies “macias” (a madeira de abeto usada como piso e paredes) lembra a essência e a austeridade do lugar.

Cada elemento foi otimizado para responder a uma necessidade que se denuncia honestamente por meio da sua escolha de materiais. A distribuição interna, ditada pela interpretação do lugar e das suas características intrínsecas, exigiu que o potencial existente fosse amplamente aproveitado.

Os quartos de serviço estão todos localizados na frente norte e têm pequenos orifícios, enquanto a sala de estar / cozinha no rés-do-chão e os quartos do piso superior têm grandes aberturas a sul.

As aberturas do rés-do-chão são simplesmente blindadas pela saliência do primeiro andar, enquanto as dos quartos estão equipadas com sistema de blackout. Estas aberturas, além de maximizar o fornecimento de energia nas estações frias e evitar a radiação direta nas quentes, oferecem uma vista deslumbrante do vale.

Toda a casa é isolada com uma espessa camada de fibra de madeira que permite usar como aquecimento / refrigeração apenas um sistema de ar alimentado principalmente por painéis fotovoltaicos, localizados na cobertura do celeiro para mitigar o impacto.

A água da chuva é recolhida em tanques e reutilizada para regar os campos, enquanto a estação de purificação consiste num reservatório construído que funciona graças a dois tanques adjacentes à casa.

O celeiro foi remodelado com intervenções essencialmente de caráter estrutural e equipado com todos os equipamentos básicos da fábrica. Hoje é usado como depósito para atividades agrícolas, mas com o tempo será criado um alojamento para receber os visitantes.