Em Guadalajara, Jalisco (México), o arquiteto Pedro Castellanos Lambley assina o projeto desta casa (1937), com 557 m², e uma das obras mais representativas do estilo denominado localmente “regionalista”, agora recuperada pelas mãos do coletivo COA.

Arquitetura: COA Arquitectura Fotografía: César Béjar Studio

A obra “Jardins Encantados” de Ferdinand Bac inspirou em grande medida o projeto de reabilitação desta casa dos anos 30, conhecida por integrar elementos arquitetónicos do Mediterrâneo, bem como materiais, sistemas construtivos e produtos locais como paredes de adobe, cal, carpintaria, ferragens, barro vitrificado, entre outros.

A casa encontrava-se em excelente estado de conservação e o seu nível de alterações foi mínimo.

Grande parte dos elementos importantes de origem (ferragens, carpintaria, elementos de tijolo e pedra, entre outros) estavam praticamente intocáveis, o que lhe confere um elevado valor patrimonial.

O edifício tem um arranjo espacial “típico” na obra residencial do Arquiteto Pedro Castellanos, que tem a ver com a progressiva sucessão dos espaços ligados por alpendres de transição, que podemos apreciar tanto nas áreas interiores como no jardim, sendo este último fundamental na vivência da casa.

O projeto de reabilitação procura valorizar a casa, resgatando-a através da nova utilização de escritórios, modificando ao mínimo a estrutura original da casa, realçando na maioria dos casos a vocação original dos espaços.

Algumas aberturas foram fechadas e outras deixadas como estavam, como testemunhas do passado, em que os elementos originais foram restaurados e os novos denotando apenas alguma neutralidade.

Alguns dos elementos em ferro são integrados, e para as duas intervenções mais importantes as formas originais são respeitadas usando o cimento aparente como material de contraste.