A nova casa cresceu em tamanho e manteve a escala para se misturar harmoniosamente com as demais casas, históricas e ecléticas, que a rodeiam. O projeto é assinado pelo coletivo Montalba Architects que utiliza o conceito de pátio vertical para a remodelação da residência familiar do próprio David Montalba.

Fotografia: Kevin Scott

O estúdio Montalba Architetcts, com sede em Santa Monica (EUA) concluiu a construção da residência pessoal do seu Diretor Fundador, David Montalba, cuidadosamente projetada em torno de um conceito de pátio vertical. A casa, com três andares, mescla perfeitamente o interior e o exterior ao mesmo tempo que se expande verticalmente para criar uma estrutura coexistente com a vizinhança.

O projeto combina dois conceitos: um pátio fechado cortado pela circulação e paisagem, e dois volumes compostos por planos horizontais e varandas, divididos por uma paisagem exuberante e ligados por uma ponte.

A forma resultante é um plano em forma de L centrado em torno do pátio vertical que se fecha no local e isola as áreas de maior uso e passagem para o primeiro andar, enquanto a “caixa” flutuante do segundo andar paira no lugar, acima da base de betão, e da moradia no nível do piso dos quartos.

“Dado o tamanho do lote e da vizinhança, o maior desafio foi garantir que não construíssemos em excesso e mantivéssemos algum grau de privacidade com os nossos vizinhos próximos”, comenta o diretor-fundador David Montalba. “Tal foi conseguido com a criação de um subsolo e um pátio vertical onde a casa se organiza. Los Angeles tem uma longa história de edifícios residenciais com pátios e esse facto, em combinação com a privacidade que oferece, ajudou a impulsionar o conceito. ”

A casa gira em torno do pátio vertical que liga os três níveis da casa, bem como os jardins adjacentes em terraço, de modo a criar momentos de simplicidade e alguma poesia dentro da residência.

O pátio de três andares fornece a luz necessária a cada um dos andares, e garante a privacidade interna e a visão do exterior. Uma série de telas móveis diluem ainda mais os limites entre o espaço interno e externo e ajudam a articular uma fachada mínima, enquanto a base de betão nos níveis inferiores atua como a âncora onde todos estes elementos se unem.

A força do design da casa encontra-se nas camadas subtis de espaços, paisagens e conceitos. Para criar privacidade, as telas com venezianas, vidros e cimento criam uma separação abstrata, porém consistente, entre o bairro e a residência. A partir daqui, tais elementos começam a mudar ou a desaparecer completamente, sugerindo uma hierarquia de segurança, exposição e circulação que dá origem a uma experiência dinâmica e variada dentro do plano.

Todos os materiais foram selecionados em resposta à luz natural, considerando diferentes intenções, refletividade, sustentabilidade e texturas. A casa junta cuidadosamente os elementos de design de cada um, enquanto adiciona notas de calor e textura da madeira e do cimento.


Além de sua pegada mínima no local, a casa utiliza vários sistemas sustentáveis ​​e conceitos de design, incluindo ventilação cruzada sobre a área da casa e arrefecimento da piscina estrategicamente localizada, que cria um corredor de ar frio através da área de estar da família. As plantações nativas são usadas ao longo do perímetro da casa para sombreamento adicional, arrefecimento e retenção de águas pluviais. A água potável e a água da chuva são aproveitadas no local, e as condições habitáveis ​​são viabilizadas por via de uma parede de energia Tesla, luz natural do pátio vertical, ventilação cruzada de vidros operáveis ​​e massa térmica no hall que fornece temperaturas estáveis. Sistemas sustentáveis ​​adicionais incluem painéis solares e aquecimento radiante.