Outra casa geminada, outra família de quatro membros, outros pais e dois outros filhos. Outro desafio a ser alcançado, pelo coletivo catalão de Vallribera Arquitectes.

Fotografia: José Hevia / Segundo a memória descritiva

O projeto levantava uma questão típica neste tipo de exercício: é melhor renovar o prédio original ou demoli-lo para construir um novo edifício? Neste caso, a resposta não é óbvia. Por um lado, a parte voltada para o pátio tem uma estrutura danificada pela falta de manutenção do telhado e a escada deveria ser demolida porque não permite um espaço de estacionamento (requisito indispensável para os clientes).

Tal significa que um novo volume significativo precisava de ser construído. Por outro lado, o edifício original mantém o charme das casas centenárias e o restante do envelope e da estrutura poderia ser usado.

A estratégia de intervenção dos arquitetos responde ao estado do edifício que acabámos de descrever. Todos os itens existentes que podem ser mantidos são exibidos sem revestimentos e pintados.

Todas as peças novas, a laje da escada, o volume que expande a casa em direção ao pátio e o novo sótão que aproveita a altura da parte central coberta são resolvidos por meio de uma estrutura de painéis de madeira laminada de grande formato (Painéis CLT).

Estes painéis são expostos. Desta forma, os novos elementos de madeira, lisos e contínuos, sem pintura, contrastam com os elementos antigos, vigas, montes de pedras, tijolos e gesso, justapostos e irregulares, pintados de branco.

A distribuição da casa é desenvolvida encadeando os espaços numa sucessão contínua, onde o branco velho e o madeira nova se alternam.

No piso térreo, um primeiro espaço com o portão e um depósito dão lugar à garagem. O hall de entrada, a casa de banho de hóspedes e a escada funcionam como um filtro antes de entrar na sala de jantar da cozinha. A sala liga a cozinha ao pátio.

O pátio é dividido num terraço, um jardim e um último espaço pavimentado. No primeiro andar, o quarto principal com fachada de rua é separado da escada por um WC. Das escadas, o estúdio pode ser aberto ou fechado na área de dormir das crianças, na sala de jogos com guarda-roupas e no terraço. A continuação da escada conduz ao sótão, um único espaço aberto que acede ao estúdio.

As soluções construtivas para a nova peça (fachada e telhado) permitem resolver o isolamento térmico evitando as pontes térmicas. A nova fachada e as divisórias expostas são revestidas com isolamento térmico por fora, rebocadas com argamassa flexível (sistema SATE).

O poliestireno extrudado é colocado nos telhados, novos e existentes. A fachada da rua é isolada por dentro com uma placa de gesso e lã de rocha. A laje existente é reforçada para evitar lascar com uma nova camada de compressão de concreto polido que serve como pavimento. Toda a carpintaria é trocada e persianas ajustáveis ​​são instaladas para controle solar. A reabilitação energética da casa e o restante dos benefícios são alcançados.

FICHA TÉCNICA

Localidade: Terrassa, Barcelona
Área total do projeto: 164m²
Ano de construção: 2018-2019
Arquitetos: Llorenç Vallribera, Aleix Gil (VALLRIBERA ARCHITECTS)
Fotografias: José Hevia