A brasileira Bia Rezende faz desenhos figurativos desde muito pequena, porém, o recente interesse pelo plano bidimensional e a busca por formas e cores ultrapassou os seus desenhos no papel transformando-se em peças de design. Em destaque, a nova linha Gráfico.

Na linha Gráfico, a designer investiga as formas geométricas e o seu uso no quotidiano criando peças de design onde há um purismo formal. A forma se encaixa a diversas funções.

Banco Gráfico

O Banco deriva de duas formas circulares sendo uma prolongamento da primeira. O Banco deriva do formato inicial do círculo apresentado na poltrona. Nessa peça 3 cores são trabalhadas.

Sofá Gráfico

Sofá de um sentar mais estruturado faz referência aos sofás do passado onde as pessoas sentavam de forma mais ereta para conversar. A forma da peça deriva de duas formas circulares, uma sendo prolongamento da primeira. O sofá deriva das formas do banco. Nesta peç, duas cores são trabalhadas.

Cabide Kandinsky

Com o nome celebrando o importante artista abstrato, a peça nasce da frase “a linha é um ponto em movimento”, do mesmo autor. A barra de suporte dos pinos prossegue a continuidade do ponto em movimento, a linha.

Sobre Bia Rezende:

Bia Rezende inicia a sua história com a arte aos sete anos de idade, ao entrar para um atelier onde aprende a desenhar, faz as suas primeiras telas, esculturas e estudos de desenho. Em 2015, estuda design de mobília com imersão em Milão e faz uma pós-gradução em história da arte.  Em 2018 lança as primeiras peças com inúmeras referências ao universo da arte, da comunicação e do design, num jogo de interação muito interessante.