Vencedora do ‘Excellence Award 2015’ na categoria Edifício residencial unifamiliar, a ‘Maison Terrebonne’ nasce a partir da transformação radical de um bangalô típico dos anos 90 e está localizada num vasto terreno arborizado.

Fotografia: Maxime Brouillet / Projeto: la SHED architecture

Nascida de uma transformação radical de um bangalô típico dos anos 90, a nova residência foi construída sobre as mesmas fundações da casa original, preservando uma das suas principais características: desníveis. Este princípio está no cerne da nova arquitetura do edifício, com projeto de la SHED. Esta renovação completa do edifício, em combinação com a escada agora maior, foi projetada para atender às necessidades do cliente, que vive sozinho. Apesar da sua dimensão, a casa tem salas grandes, abertas, com abundante iluminação natural.

A casa tem hoje três níveis divididos, cada um projetado para um conjunto distinto de funções que ajudam a estabelecer uma hierarquia clara entre zonas íntimas e sociais. Estas zonas foram desenhadas para comunicarem abertamente umas com as outras e estão divididas apenas pelo limiar criado pelos lances de escada.

Diretamente acessível a partir da garagem e na mesma altura do terreno, está o primeiro dos três níveis, que contém o hall de entrada e um pequeno escritório. Embora esta área de entrada também seja aberta, está oculta dos espaços no andar de cima. Uma vez no centro da escada que conduz ao segundo andar, deparamo-nos com uma grande janela com vista para a floresta, atrás da casa.

É aqui também que está a cozinha, organizada em torno de uma grande ilha de madeira cujos materiais se destacam em relação às paredes brancas. Ao longo da grande janela de sacada ao lado da cozinha podem ser encontradas as salas de jantar e de estar. Na encruzilhada de todos estes níveis, está localizado um bloco branco, que naturalmente reforça a intimidade entre as zonas e em torno do qual gravita a circulação dentro de casa. Este bloco tem um efeito poderoso na parte superior de cada nível, pelo facto de não estar fixo ao teto, o que permite uma linha de visão desobstruída e uma iluminação natural opulenta.

A escada e o corredor de acesso à suíte privada do cliente, no nível superior, estão localizados atrás do bloco central e têm vista para os níveis inferiores. Dentro do cubo e acessível apenas a partir do quarto, há um WC escondido, projetado com linhas simples e limpas. Embora sem porta, a intimidade é preservada pela configuração das paredes que conduzem a este espaço. Dentro do mesmo WC, o piso e as paredes estão revestidos por um mosaico de vidro branco pérola e mobilados apenas com dois blocos brancos, e minimalistas, a banheira e a bancada. Para acentuar a aparência monolítica dos móveis, as portas com acabamento fosco suave foram colocadas em ambos os lados de modo a evitar a criação de divisões; destaque para o lavatório em Corian.

O quarto está localizado na parte de trás e abre parcialmente para os espaços abaixo. Para limitar a visibilidade de fora para este espaço íntimo, as janelas foram voluntariamente limitadas em altura e, como tal, criam longas faixas de luz. Na parte traseira, estende-se em direção à floresta por meio de uma varanda. A partir daqui, o ambiente natural circundante pode ser visto sem obstáculos.

O exterior é coberto por tapume natural de cedro oriental cuja cor desaparecerá com o tempo para, eventualmente, se assemelhar com a casca das árvores nas matas circundantes. Aberturas simples cercadas por molduras pretas servem para pontuar o volume da casa. A antiga garagem foi substituída por um espaço de estacionamento coberto aberto em cada extremidade dando a impressão de que foi esvaziado. Esta abertura cria uma sensação de transparência que, como todas as grandes aberturas, abre espaço para a espectacularidade da natureza.