Vencedor dos prémios de Arquitetura da Ordem dos Arquitetos do Quebeque (Canadá) em 2019, na categoria ‘House Interior’, dos Grands Prix du Design em 2018, na categoria ‘Residential’, e finalista nos Dezeen Awards de 2018, o coletivo La SHED Architecture projetou a Maison du Parc, cuja escada escultórica é peça central.

Fotografia: Maxime Brouillet

Com vista para o Parque La Fontaine, em Montreal, esta casa destaca-se pelo alto nível de contrastes e paisagens impressionantes, e é inspirada na arquitetura das mansões do início do século.
A influência clássica predomina no design geral da casa, no que diz respeito à organização do espaço e à escolha da atmosfera, materiais e móveis. O projeto é assinado pelo coletivo premiado la SHED.

Localizada no coração da casa, a escada percorre os três andares de forma espetacular, fazendo a ponte entre os vários espaços. No topo desta escultura, peça verdadeiramente arquitetónica, há uma imensa clarabóia, que ilumina e destaca as curvas atraentes da escada.

As divisórias finas, esculpidas, curvam-se e envolvem os degraus de madeira. Divisórias de vidro translúcido, colocadas de ambos os lados da escada, permitem a entrada de luz, revelando apenas subtilmente o que está por trás, criando efeitos de luz notáveis ​​e uma profundidade misteriosa.

A sala de estar, localizada na parte da frente da casa, é o cenário perfeito para relaxar e conversar em frente à lareira de mármore. Pintado num cinza reconfortante, o espaço foi organizado com o convencionalismo das mansões em mente, principalmente pelas perspectivas simétricas e centradas, criadas pelas janelas duplas com vista para o parque e pelas estreitas portas duplas que conduzem à cozinha.

Com uma parede preenchida por janelas, voltadas para o terraço, a cozinha e a sala de jantar aproveitam a luz natural abundante e o contacto direto com o exterior. Planeada para a preparação de refeições divertidas e gourmet, a cozinha combina com sucesso elegância e funcionalidade. Organiza-se em torno de uma grande ilha de mármore branco com armários pretos foscos, para uma aparência minimalista.

Por seu turno, a casa de banho da cave foi planeada a pensar nas visitas e oferece toda uma experiência surpreendente, inspirada nos espaços de banho dos melhores restaurantes.

A bacia cilíndrica foi instalada no chão, em frente a um espelho, e esconde as instalações, num espaço com uma atmosfera teatral que se abre para a escada e fica de frente para a adega, iluminada.

Na casa, de linhas minimalista, não falta calor, em boa parte graças à escolha de acabamentos, texturas, detalhes arquitetónicos e o cuidadoso equilíbrio de preto e do branco em interação com tons suaves de cinza reconfortante.

Detalhes refinados e transições limpas aumentam a simplicidade dos espaços e refletem uma sofisticação que engloba abundância e restrição.

O resultado final demonstra que todo o projeto foi realizado com grande habilidade, proporcionando um equilíbrio perfeito entre os estilos clássico e moderno.

A fachada, cuidadosamente restaurada, de frente para a rua, rivaliza com a da fachada traseira, que é totalmente composta de janelas e abre-se para o pátio.

Estas fachadas refletem o interior da casa e oferecem uma continuidade perfeita, tanto em termos dos materiais utilizados como dos efeitos gráficos criados.


FICHA TÉCNICA:

Nome do projeto: Maison du Parc
Localização: Montreal, Qubeque, Canadá
ArquitetoS: la SHED architecture
Fotógrafo: Maxime Brouillet


Sobre LA SHED

A empresa realiza a maior parte do seu trabalho nos setores residencial e comercial, tendo desenvolvido uma profunda experiência na renovação, transformação e construção de edifícios de todos os tipos e origens históricas. Abertura, iluminação e alinhamento estão no centro de todos os projetos concluídos pelo estúdio. Os seus projetos destacam-se pelo layout funcional e contemporâneo, bem como pelo uso de materiais duráveis, acessíveis e clássicos.