Transformação de um edifício histórico de Barcelona em 26 apartamentos exclusivos, com áreas comuns high-end, e tudo isto preservando-se a sua rica herança original.

Fotografia: Jordi Folch

O projeto de recuperação da Casa Burés, em Barcelona, é um belíssimo trabalho levado a cabo pelo estúdio Vilablanch em parceria com TDB Arquitectura.

A Casa Burés foi construída entre 1900 e 1905 pelo arquiteto catalão Francesc Berenguer i Mestres, um colaborador próximo de Antoni Gaudí. O edifício recebeu o nome do seu primeiro proprietário, Francesc Burés, um empresário de uma das empresas têxteis de maior sucesso em Espanha.

O edifício soma 7700 m2 distribuídos por seis andares e está classificado desde 1979, usufruindo da mais alta categoria de proteção enquanto património cultural. O prédio ficou quase ao abandono durante alguns anos tendo alguns dos seus elementos originais sido vandalizados.

Após três anos de um aturado trabalho de restauração e um cuidadoso projeto de design de interiores, a Casa Burés emergiu como um dos edifícios de estilo modernista mais representativos de Barcelona. Os elementos originais da arquitetura modernista e do interior foram respeitados e restaurados, seguindo todos os requisitos regulamentados e segundo a sensibilidade de todas as partes interessadas: investidor, autoridades da cidade, equipa do projeto e artesãos e especialistas em restauro envolvidos nas obras.

PROJETO DE DESIGN DE INTERIORES

O desafio? Recuperar e destacar a arquitetura original e os elementos decorativos do edifício e adaptar os alojamentos às necessidades atuais, funcionais, contemporâneas, em termos de distribuição, tecnologia, segurança, acessibilidade, conforto e comunidade. Havia uma estratégia chave: todos os elementos arquitetónicos e decorativos originais existentes foram restaurados, e os novos materiais foram adicionados quando necessário. Estes novos materiais não deveriam competir nem imitar os originais.

A equipa definiu três conceitos de design de interiores para este edifício residencial, combinando as qualidades intrínsecas de cada espaço existente: os três lofts e as áreas comuns no lobby recuperaram o seu caráter industrial original; duas residências palacianas foram cuidadosamente restauradas respeitando os elementos modernistas existentes e 21 apartamentos foram concebidos como residências contemporâneas com ricos elementos originais. Disto fez parte ainda o projeto de definição de materiais e acabamentos (pavimentos, revestimentos, cores, cozinhas, casas de banho, portas, projetos de iluminação e móveis).

LOFTS E ÁREAS COMUNS

O piso térreo foi transformado em três lofts e o lobby em áreas de uso comunitário (piscina, spa, ginásio, adega, cozinha aberta, terraço, espaços para eventos sociais …). Originalmente, não tinham uma atmosfera modernista, mas antes uma forte personalidade industrial. O novo conceito de interiores recuperou, por isso, o caráter industrial (grandes espaços abertos, tetos altos, colunas de ferro, paredes de tijolos, pisos de cimento …).

RESIDÊNCIAS PALACIANAS

A residência original de palacete Burés, localizada no piso principal, foi dividida em dois magníficos apartamentos de 500 m2 , cada. Tratando-se do patamar mais rico em termos de elementos modernistas decorativos, tudo foi cuidadosamente restaurado nos apartamentos mais nobres (mosaicos e marcenaria, vitrais, paredes e tetos com frescos, elementos decorativos de madeira, tetos com relevos…).

APARTAMENTOS

As residências localizadas nos andares superiores, originalmente pensados para aluguer, foram transformados em 16 apartamentos e 5 águas furtadas.

Estas 21 alojamentos combinam espaços marcadamente modernistas originais com outros mais contemporâneos, onde a cor branca e a madeira de carvalho foram adicionadas como elementos principais para não competir, mas antes para destacar e contrastar com os elementos decorativos originais.

No piso térreo, alojaram-se todas as áreas de uso comum. Caso da piscina, spa, sala de jogos, entre outras.