Nathalie Thibodeau, arquiteta, projeta esta casa de campo que avista o rio St. Lawrence, nos campos do Canadá.

Projeto: Nathalie Thibodeau / Fotografia: Maxime Brouillet


Entre a estrada e o rio, a casa St. Ignace permite que quem ali mora aprecie as paisagens ao seu redor, dando origem a experiências distintas, proporcionadas pelas cenas, únicas, que a cercam. As suas aberturas criam inovações visuais que ampliam o ambiente e colocam a arquitetura ao serviço da paisagem.


Localizada entre dois centros industriais, a ilha de St. Ignace atua como uma paragem quase obrigatória para os habitantes locais. Mergulhados nas tradições das ilhas, os moradores gostam de aproveitar a proximidade do rio na sua vida quotidiana. Ao longo de uma estrada cercada por terras agrícolas e pelo rio St. Lawrence, encontramos esta casa, em linha com o cenário linear que a circunda.


O local é naturalmente separado da estrada por uma série de árvores maduras; o acesso foi posicionado de modo a manter este cenário natural, de terra e água. Uma vez atravessada a faixa de vegetação, e apesar da sua proximidade, o rio permanece escondido da vista.

É em direção a um emaranhado de choupos pretos que os olhos são naturalmente direcionados devido ao posicionamento dos dois volumes da residência. Assim, a chegada ao local permite destacar a beleza da vegetação que a ocupa, sem perder a aparência, sem intermediários, em direção ao rio.


Recuando, o posicionamento da casa permite maximizar os espaços verdes do local, impedindo a vista direta do bairro. Os carros encontram-se fora dos possíveis campos visuais da residência, possibilitando uma pausa entre o movimento constante da vida ao ar livre e a tranquilidade da vida privada. No coração do projeto, um terraço é usado como meio de acesso à casa e como uma união entre os dois volumes construídos. Ajuda a enquadrar a vegetação circundante enquanto esconde o rio St. Lawrence, ao fundo.

A entrada da residência é marcada por uma subtração do volume principal, criando uma sugestão visual e um abrigo funcional do clima. O revestimento de ripado de cedro e manchado de cor escura marca a entrada da residência. Ao aceder à sala de estar, os visitantes deparam-se com uma vista estreita que revela o rio ao fundo. É assim que a casa revela delicadamente a paisagem que a circunda, chamando a atenção e inconscientemente preparando o visitante para o espetáculo da natureza.


Na área aberta, ao nível de dois andares, é possível apreciar o rio em toda a sua magnitude. As generosas janelas de sacada fazem mais do que enquadrar a paisagem; elas convidam-na a entrar em casa, permitindo apreciar a sua imensidão. Os tetos claros e a ausência de partições amplificam este sentimento de espaço e magnitude.

Em diálogo com a clareira do rio, a janela da sacada da sala permite apreciar uma paisagem numa escala diferente, focada na proximidade e nas características únicas da vegetação. Estas duas aberturas do lado de fora, colocadas em ambos os lados do espaço, permitem que nos sintamos em franca comunhão com as paisagens que cercam a residência.



Os terraços ao ar livre permitem que se aprecie as paisagens circundantes, cada um à sua maneira. O que limita a sala de estar é reorientado no local, sendo mais íntimo e isolado. O terraço colocado ao lado da sala de jantar e da cozinha expõe o rio St. Lawrence em toda a sua magnitude. Permite a visão definitiva, sem distrações, do movimento constante da rota marítima. Apesar do posicionamento em ambos os lados do volume principal, a transparência deste bloco permite que cada um aproveite as qualidades do outro, mantendo a sua identidade única.
A residência é coberta por ripas de madeira cedro de dois tons distintos. Os primeiros são estriados e escuros. Podemos vê-los tanto no interior quanto no exterior; são a pele do edifício, o seu envelope interno. As segundas ripas atuam como uma concha externa, generosas em espessura. Um conjunto de larguras diferentes permite que o envelope seja texturizado aleatoriamente, lembrando a verticalidade das árvores vizinhas. Feitos de cedro, os dois materiais evoluirão ao longo dos anos, lentamente, como barcos deslizando no rio. O segundo pavilhão abriga o estúdio de um artista, coberto por ripas escuras, numa expressão de liberdade.