O atelier de arquitetura austríaco Smartvoll ganhou o prestigiante prémio ‘AZ 2018’ com o projeto Loft ‘Panzerhalle’, em Salzburgo, Áustria. Durante a gala anual, 64 finalistas de mais de 950 candidaturas competiram pelo troféu. O Loft  ganhou o prémio na categoria de interiores residenciais.

Arquitetos: Philipp Buxbaum, Christian Kircher/ Localização: Salzburg, Áustria / Área Bruta Construída: 350 m2 / Fotografia: Tobias Colz / Smartvoll

 44586-preview_low_2483-2_44586_sc_v2comOs arquitetos do atelier Smartvoll saíram vencedores do concurso com o loft, desde logo cativando os membros do juri com o seu interior com uma dramaturgia espacial muito particular.

44576-preview_low_2483-2_44576_sc_v2comNos 350 metros quadrados e dois andares, a ideia clássica de um “loft” é perceptível, mas foi reinterpretada em muitos aspetos. “Nunca brinco com a fachada, não moro lá”, disse um dia o arquiteto Adolf Loos. Tal como Loos se preocupa com definições de espaço, também este atelier tem a mesma preocupação, de 100 anos depois.
Um foco especial nota-se no uso exaustivo de materiais e materiais. 

  • A arquitetura desdobra-se no interior;
  • O conceito de sala e material desenvolve o encontrado e mantém o estabelecido;
  • O cimento polido e encerado é um dos materiais decisivos para moldar o interior.

“Queríamos revitalizar o charme original do espaço. A magnitude e a experiência espacial dos dois andares foram prioridades. Em todas as dimensões.”

44583-preview_low_2483-2_44583_sc_v2comO espaço não foi apenas preservado, mas está enriquecido com qualidades completamente novas. A fim de garantir um brilho consistente em todos os espaços, o atelier decidiu abrir mão das galerias típicas e deixar a janela da faixa superior livre. Quarto, WC e outro quarto são distribuídos por todo o espaço, como corpos separados. 44584-preview_low_2483-2_44584_sc_v2com

O epicentro da sala é a cozinha – um bloco de sete metros de comprimento. Toda a composição é completada por uma escultura de cimento, a escada, que não só se abre a todos os espaços, acolhedora, como também parece estar a suportar o seu peso.

“Através da escultura da escada, que atravessa as salas, não vemos o caminho entre os níveis como uma conexão vertical e funcional, mas sim como uma experiência espacial.”

44575-preview_low_2483-2_44575_sc_v2comCom efeito, esta escada escultórica divide a sala, cria um telhado sobre a cozinha e elevações e, como tal, permite que estejamos em movimento – e vejmos tudo de todos os lugares. O mesmo se aplica ao duche de vidro, que se projeta do bloco da área de banho totalmente envidraçada a uma altura de cinco metros. 

As escadas são uma arquitetura dentro da arquitetura. Cimentada internamente, a sua engenharia é exibida em todos os aspetos. Um objeto macio com dimensões mínimas, mas de tremendo impacto espacial. Algo que não permite a competição entre materiais: além do cimento, apenas materiais subtis e semitransparentes foram usados, como o Profilit, para separar a área dos hóspedes, cortinas para o quarto ou móveis integrados, como uma prateleira de aço suspensa. Todos os outros móveis parecem estar integrados na construção. Uma imagem inalterável, que celebra apenas o espaço livre.

“Ligações de espaço e visão foram mantidas intactas e a sala não foi cortada em diferentes corpos, mas pode, antes, ser vivenciada em toda a sua impressionante altura de oito metros.”

44586-preview_low_2483-2_44586_sc_v2comNo nível mais baixo, a sala está ligada a duas varandas. No entanto, até mesmo esta fachada se alinha e harmoniza com a peça de cimento, na inclinação; as varandas parecem alcovas adicionais do conceito geral. Apresentam um contemplativo jardim zen, incluindo uma colina relvada, um jasmim e um terraço de relaxamento clássico.

44579-preview_low_2483-2_44579_sc_v2com

44578-preview_low_2483-2_44578_sc_v2com44580-preview_low_2483-2_44580_sc_v2com44589-preview_low_2483-2_44589_sc_v2com44590-preview_low_2483-2_44590_sc_v2com44593-preview_low_2483-2_44593_sc_v2com

Sem mais artigos