O arquiteto Jean Verville desenha a cenografia para a exposição “QUEENS, ceramic sculpture” de France Goneau

Fotografia: Maxime Brouillet

44487-preview_low_1010-9_44487_sc_v2comO arquiteto Jean Verville continua as suas investigações sobre o cruzamento entre arte e arquitetura para realizar uma cenografia sumptuosa, que realça a aparência refinada das mais recentes esculturas de cerâmica da artista canadense France Goneau e glorifica a arquitetura da igreja neogótica que abriga o Musée des maîtres et artisans do Québec.44492-preview_low_1010-9_44492_sc_v2comResidente no famoso Québec Studio, em Nova Iorque, de janeiro a junho de 2018,  France Goneau iniciou algumas pesquisas direcionando a sua reflexão sobre a beleza e transformação do corpo, examinando artifícios e as suas ramificações, positivas e negativas, que moldam esta mística feminina. 44485-preview_low_1010-9_44485_sc_v2comCom a sua nova produção de ornamentos corporais, a artista lida com a identidade feminina e as restrições a ela associadas, evocando tanto os padrões de perfeição e sedução femininos, ambos um território familiar e elusivo, quanto os encontros fortuitos iluminando a sua jornada diária entre o Soho, onde reside, e o estúdio Sculpture Space NYC em, onde trabalha. 44481-preview_low_1010-9_44481_sc_v2comPróteses, postiços, outros acessórios atestam uma observação pessoal e diferenciada de uma identidade feminina, as culturas, tradições e protocolos que os estruturam, bem como a incapacidade sentida em relação a estes. Com estes adornos sedutores e inclassificáveis, France Goneau declama uma serenata sussurrando os segredos sobre o insondável rosa da feminilidade.44496-preview_low_1010-9_44496_sc_v2comA cenografia expositiva elaborada pelo arquiteto Jean Verville revela esses ornamentos corporais num conjunto finamente ligado ao universo feminino onde o controle, a expressão de identidade e a convenção social se transformam em doce agonia. 44478-preview_low_1010-9_44478_sc_v2comNo tom de opulência específico ao embelezamento, a apresentação oferece uma visão de coqueteria, elegância e refinamento para despertar muitas especulações. Ilustrando vários momentos, e mantendo a linguagem da feminilidade em voz alta, esta exposição mostra um encontro íntimo com o mundo da artista France Goneau. Alternando entre factos e perceções, o arquiteto manipula dispositivos cénicos para apresentar estes ornamentos esculturais, como artefactos sondando incertezas, sinalizando a opacidade de imposições e atestando injunções de ligação que documentam a complexidade inegável deste império feminino.44500-preview_low_1010-9_44500_sc_v2comO arquiteto optou por um espaço roxo intenso para criar um efeito claro/escuro ; com este ambiente aconchegante, acentua a aparência triunfante da imponente vitral do museu, reforçando o aspeto ostensivo dos ornamentos com iluminação que anima os detalhes e enfatiza a meticulosidade do seu fabrico. 44482-preview_low_1010-9_44482_sc_v2comAlimentando a atração que emana destas decorações algo perturbadoras, a cenografia usa múltiplas lentes para exacerbar a sua aparência extravagante onde passado, presente e futuro se fundem, assim como o seu estado de envelhecimento revela o aspecto simbólico ou talismânico de sua relação com o corpo. 44479-preview_low_1010-9_44479_sc_v2comA escala das decorações, cuidadosamente feitas de porcelana, arame, platina e lustres de ouro de 24 quilates, convida a uma proximidade que permite apreciar a multiplicidade de detalhes, a sua pequenez, a sua exigência, mas também a restrição, a reminiscência e a temporalidade que são evocadas.

Estruturando o espaço num posicionamento radial, Verville sugere as modalidades de uma viagem resultante de um ritual íntimo. Este layout circular maximiza o contacto visual simultâneo com muitos dos ornamentos, o que dá origem a uma reflexão sobre a sua função. 44486-preview_low_1010-9_44486_sc_v2com

O arquiteto submete os trabalhos a uma nova complexidade formal, exibindo-os em superfícies refletoras, e destaca a ambiguidade dos seus usos, a fragilidade e os momentos evocados ao inseri-los sob proteção; o aspecto imaterial perturbador que emerge parece intensificar o desejo de admirar, possuir, tocar.

Assim, ancorados nesta atmosfera que revela o poder da sua feminilidade, estes elementos corporais recebem olhares contemplativos para testemunhar um universo feminino enigmático e indeterminado, em algum lugar entre o sonho, o artifício e a realidade.

Sem mais artigos