02_-belem-tagus-river-dsc_9284-2

Belém ponte 25 de Abril

03_-ccb-dsc_3655

Centro Cultural de Belém

06_-edp-museum-dsc_0286

EDP Museu da Electricidade

07_-edp-museum-dsc_0351

EDP Museu da Electricidade

Falar de arte urbana em Lisboa é sinónimo de Alcantara e Belém. Afastada do centro histórico, esta zona é amplamente mencionada em guias turísticos graças a monumentos colossais como o Mosteiro dos Jerónimos. A Fábrica dos Pastéis de Belém (os bolos mais cobiçados de Portugal!) também lhe dá fama e o CCB – primeiro grande Centro Cultural da cidade –  continua a ter invejáveis coleções de arte. Mas enormes intervenções de artistas como Gonçalo MAR ou Vhils têm atribuído àquela zona um cariz rebelde que parece servir de contraste perfeito aos monumentos seculares.

09_-edp-museum-dsc_0528 10_edp-museum-dsc_0626

12_joana-vasconcelos-studio-img_1073

Joana Vasconcelos Studio

A poucas centenas de metros da Doca de Alcântara – onde pode visitar o atelier da conceituada Joana Vasconcelos, com algumas das suas peças mais icónicas – os complexos Lx Factory e Lisbon Underground são os albergues da maior representação de arte urbana por metro quadrado em Lisboa. Zona industrial desativada e transformada em galerias de arte e salas de trabalho, serve também de morada a inúmeros projectos artísticos. Por toda aquela área se respira criatividade, ora em livrarias com bicicletas voadoras, restaurantes cujas paredes são antigas máquinas tipográficas, escritórios montados em contentores e luzes de neon que ditam frases provocatórias. Mais à frente, o imponente Museu da Eletricidade é outro dos exemplos de reaproveitamento do património lisboeta. Entre maquinaria desativada e a história do fornecimento de energia à cidade, serve de palco a algumas das mais arrojadas exposições em Lisboa.

18_-space-espelho-de-agua-dsc_1795

Espelho de água

19_-space-espelho-de-agua-dsc_1799

Espaço, Espelho de água

28_ler_devagar_lx-factory_dsc_0841

LX Factory, Ler devagar

29_ler_devagar_lx_factory_dsc_0832

LX Factory, Ler devagar

17_-space-espelho-de-agua-dsc_1793

Dali até à Torre de Belém, o Tejo serve de companhia aos que optarem por caminhar. E o passeio vale a pena. É inevitável olhar para aquelas águas e não pensar nos muitos portugueses que rumaram à conquista do mundo. Sentar-se e ambientar-se à tal nostalgia lisboeta que parece navegar no Tejo, faz parte da visita. Junto ao Padrão dos Descobrimentos, o Espaço Espelho d’Água tem tudo o que precisa para tornar esse momento único. Inserido num edifício construído em 1940 para a grande Exposição do Mundo Português, é um restaurante e café concerto onde se respiram as influências de Portugal no mundo, através de uma programação cultural e de uma ementa que remetem para as ex-colónias. Deite-se numa das espreguiçadeiras, aproveite a vista e respire o cocktail de passado e presente que Lisboa tem para oferecer. Poucas cidades acertam tão bem nesta receita.

25_belem_tagus_river_dsc_0644

Sem mais artigos